Olha a ONDIA!

Não, caro leitor! Não é um erro de digitação! Nem muito menos um mote para relembrar a música da do grupo Tchakabum (anos 90), lembra?

Esses dias, vasculhando a vastidão da internet, em meu horário de almoço... Deparei-me com uma matéria publicada no Jornal O Globo, de dezembro de 2017.

Pois bem, o texto tratava questões interessantes sobre competitividade das empresas brasileiras e estimulava o leitor a perceber que existe muita gente competente tentando melhorar esse cenário.

O texto trazia um dado interessante sobre a burocracia enfrentada pelas empresas nacionais para tratar seus impostos em comparativo com alguns países da União Européia. Por exemplo: uma empresa de bens de consumo, uma produtora de calçados, precisa preencher cerca de 50 linhas de formulários para resolver suas questões tributárias junto ao fisco. No Brasil, tem 20 mil linhas.
Na verdade, primeiramente, chamou-me atenção o título: Para acabar com o manicômio tributário.

Em seguida veio a Onda.
Ops...
ONDIA!

Trata-se de uma proposta fantástica do Movimento Brasil Eficiente (MBE), que vem há vários anos trabalhando em propostas para melhorar o tal: manicômio tributário brasileiro. Eles trabalham junto ao governo federal e o Congresso Nacional, para aprovar o que chamam de Plano Real dos Impostos.

Daí vem a proposta da criação da a criação de uma Operadora Nacional da Distribuição da Arrecadação- ONDIA, uma entidade que garantiria a distribuição dos impostos de forma rápida, desburocratizada e neutra a todos os entes da Federação; uma caixa central, para onde verteria todos os impostos pagos, tudo informatizado, e o melhor, com foco na transparência. AMÉM!!!

Palmas! Palmas!

Com foco em acabar com a guerra fiscal entre os estados e construir um sistema mais simples para quem paga, para quem arrecada e para quem fiscaliza. O texto elaborado pelo economista Paulo Rabello de Castro e pelo jurista Gastão Toledo, batizado de PEC do BEM (Projeto de Lei Complementar 210/2015) já encontra-se em trâmite na nossa conturbada Câmara dos Deputados (outro manicômio).

Os grandes pensadores da economia brasileira, apontam a reforma tributária, é essencial para elevarmos a produtividade e a competitividade nos próximos anos, e recomendação de todos converge para a simplificação dos impostos e maior controle na arrecadação, fiscalização e pagamento destes! Simples assim!

Que tal crescer mais de 6% ao ano? Mais empregos, mais renda, mais investimentos, mais dinheiro no caixa do governo.

Que venha a ONDIA! Que ela não passe... fique!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *